COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
09/02/2012
A BELEZA NA LITURGIA
 

Jesus Cristo escolheu a Igreja como Sua Esposa. No amor esponsal, a Noiva de Cristo fixa seu olhar nos Olhos do Noivo e grita: “Glória e Majestade estão em Sua presença, poder e beleza estão no Seu Santuário”.

A Festa de Casamento do Cordeiro descrita no Livro do Apocalipse descreve a Sagrada Liturgia da Igreja.

No clímax de Sua adoração celestial, a Noiva reflete a imagem do Noivo – a imagem do Verbo feito carne, que é Beleza encarnada. Para o mundo, a máxima, “a beleza está nos olhos de quem vê.” É subjetiva declaração.

Para a Noiva de Cristo, esta é uma realidade concreta da Encarnação! Infelizmente em nossos tempos, o banal e vulgar que invadiram nossos Santuários, na seqüência: “Um ambíguo sentido de criatividade”.

Nada, portanto, é mais importante hoje do que a restauração da beleza da Sagrada Liturgia, a restauração do Sagrado.

Hans Urs Von Balthasar, o mais notável escritor do século 20 sobre a teologia da beleza, disse: “Nós podemos ter certeza de que quem zomba do nome, da beleza... já não pode orar e logo não será mais capaz de amar.”

A fim de celebrar a Sagrada Liturgia, com a devida reverência e beleza, a Igreja deve ser capaz de “distinguir entre o Sagrado e o profano” (Ez. 44,23). Quando os diversos tipos de falsas “inculturação” poluírem o culto litúrgico, devemos ser conscientes de que “nem tudo é válido, nem tudo é lícito, nem tudo é bom...”. O secular, o barato, o inferior e o inartistico “não podem cruzar o limiar do templo de Deus”.

 A fim de “restaurar o Sagrado” nós devemos, em primeiro lugar, contemplar a beleza de Cristo na Sagrada Liturgia – “ Uma ação Sagrada por excelência”. Isto começa com fidelidade externa para os sinais, mas leva à união com Cristo interiormente (internamente), para “aqueles que O adoram em espírito e em verdade.”

A beleza espiritual da Sagrada Liturgia transforma as vidas dos católicos. Na verdade, “o encontro com o belo pode se tornar a ferida da flecha que atinge o coração e desta forma abre os nossos olhos”. Esta beleza espiritual constitui o coração, como Cristo na beleza moral. E quando a beleza espiritual da Sagrada Liturgia transforma uma alma, o homem pode em seguida, criar coisas belas, como arte, arquitetura, poesia e música.

Esta beleza artificial, formada pela beleza de Cristo na Sagrada Liturgia, imita o gênio criativo de Deus, que deu a este mundo uma beleza natural inerente. Quando o radiante e belo rosto de Cristo, nosso Salvador se torna o centro do culto Sagrado, toda a criação anseia por gritar com o salmista: “toda a obra que Ele criou, está cheia de esplendor e beleza. Se a beleza da Santa Missa não é, em essência, dependente da esplêndida beleza da iconografia, paramentos ornados, o canto gregoriano ou da arquitetura barroca, porque então a Igreja tem investido muito do seu patrimônio em promover estas artes sacras? DEUS colocou um desejo legítimo na alma humana para criar coisas belas, porque ele quer dividir com o homem a sua obra-prima da criação, uma criação onde tudo é bom e bonito. Daí resulta A beleza nos resultados da Liturgia, da ordem. É por isso que a Liturgia, por sua própria natureza demanda da ordem, e assim a liturgia não pode existir sem os sinais externos ou cerimônias. A beleza brilha através dos gestos da Sagrada Liturgia. Assim, os atos de culto exterior, como fazer o sinal da Cruz, genuflexão, ajoelhar-se, inclinar-se, tornam-se maneiras de interiorizar a reverência e beleza nas nossas vidas humanas. “Todo gesto litúrgico, sendo um gesto de Cristo, é chamado a expressar a beleza”. E assim a beleza transcendente da Liturgia permeia os corações dos homens, e nos forma a ter bom relacionamento, não só com Deus, mas também com o nosso vizinho, e por isso nos capacita a transformar a cultura humana. Este é o verdadeiro significado de “Inculturação”. Se os católicos querem a beleza intrínseca da liturgia para converter a “cultura da morte”, que deve permitir a Sagrada Liturgia para formar nós pelo seu espírito, que é o Espírito de Cristo. Isto significa que, na humildade, devemos renunciar a qualquer desejo de fazer da Liturgia conforme às mudanças, caprichos. Conseqüentemente, vamos renunciar sem autorização, as inovações, a improvisação externas, banalidade e criatividades equivocadas.

Assim, “... o rito antigo torna-se um tesouro vivo da Igreja e também deve fornecer um padrão de culto, de mistério e de catequese para a qual as celebrações da Nova Ordem devem se mover. Em outras palavras, a Missa Tridentina é o elo perdido. E a não ser re-descoberto em todos os fiéis a sua verdade e beleza, a Nova Ordem não responderá ao crescimento orgânico e de mudança que tem caracterizado a liturgia desde seu início”.

 

Liturgia e Beleza, por Dom Piero Marini, Arcebispo Titular de Martirano

Celebrações Litúrgicas; 15 de marco de 2006. www.vatican.va

Rev. Michael John Zielinski OSB Oliv., Vice-Presidente da Pontifícia Comissão para Arqueologia Sacra e Património Cultural da Igreja.






 
 
 

Artigo Visto: 932 - Impresso: 40 - Enviado: 10
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 13 - Total Visitas Únicas: 293636 - Usuários online: 17