COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
09/01/2012
A NEGAÇÃO DA VIDA
Quem diz: O acaso existe, afirma que Deus não existe
 

Há um princípio universal, uma cláusula pétrea e intransponível: do nada, nada se cria! Assim, toda a discussão que passa adiante disso, sem antes entender este mistério, é mera conjectura, é teoria, é simples artifício da razão, uma elucubração mental que visa nos enganar. É algo completamente destituído de fundamento. Sem uma Vontade Suprema, aliada a um Poder Infinito, NADA existiria. Nem um só grão de matéria!
 
Há outro princípio que dizem ser universal, mas mente quando diz: tudo SE transforma! A verdade é simples: tudo é transformado pelo mesmo e único Criador de tudo em absoluta perfeição, pelo Onipotente que age no silêncio interior da essência da matéria. Tudo obedece a um ato simples e perfeito de Sua eterna Vontade: Faça-se! E ainda hoje é assim e sempre será apenas assim! Negar isso é fazer-se absurdo e teimosia!...
 
Há teorias mil sobre a existência das coisas visíveis, sobre a realidade da vida que pulsa, sobre a verdade incontestável do que é invisível. Mas tudo isso esbarra nas duas verdades acima: seguir avante, além disso, sem antes definir a CAUSA PRIMEIRA é tolice, coisa de louco varrido. Para enganar cego varrido!
 
Primeiro é preciso explicar como surgiu a matéria! E neste caso o tal “big bang” é como um telhado construído no ar, sem colunas de sustentação. Pura ilusão! Ainda que isso fosse possível, sem a prova primeira – de onde veio a matéria concentrada – ele continua mera teoria. A não ser que tivesse sido a explosão do amor criativo de Deus! Então teve um Deus, Eterno e Infinito, Onipotente e Criador, antes! Só com Ele, haverá eternamente um ANTES e sempre um DEPOIS! Numa centelha, Ele criou tudo! Vejam...
 
Ainda que fosse possível ao homem explicar a origem da matéria, vai ainda um infinito até explicar sua profusão e multiplicidade. A forma como é aglutinada, ou repelida. E isso não se faz por acaso, mas por uma ORDEM superior. Uma vontade! Cada material diferente que compõe o infinito das coisas existentes se torna um desafio intransponível para a pobre mente humana. Sem um Artífice Criador, Onipotente e Onisciente, não haveria sequer uma mente pensante. 
 
Mesmo que o homem conseguisse explicar a multiplicidade e as características de cada átomo, de cada partícula existente, vai ainda um infinito para explicar como elas se unem, se agregam, se fundem, se moldam e são transformadas para compor sabiamente tudo o que existe. Só de um Criador genial e ONISCIENTE, pode advir o poder de agregação, que a tudo une, molda, forma e faz ter vida.
 
Ainda que o homem, algum dia, encontrasse a resposta para o surgimento da matéria, ainda que explicasse sua imensa profusão, ainda que entendesse como ela se agrega nas formas, não teria entendido nada mais que um conjunto morto, embora os átomos sejam pulsantes! Sem um Poder Infinito de coesão, o AMOR DE DEUS, mesmo que existisse a matéria em pó, ela se desintegraria. Afastar-se-ia! Nem existiria!
 
Eis aqui uma verdade Eterna: Deus criou o Universo inteiro, num conjunto infinito, de perfeições infinitas... Visíveis e invisíveis! Neste conjunto fantástico, a única coisa que não existe é o ACASO. Ele não tem lugar na Criação! O acaso é ficção pura e obra da fantasia humana! Insana! O acaso na criação é indicativo da pré-demência!
 
O acaso é filho bastardo do pai orgulho, e da mãe loucura. As crias deles são a teimosia obstinada, a negação do óbvio, a louvação orgulhosa da mentira e a explosão do ódio absurdo contra Deus Criador. Desta família explosiva nada mais pode nascer que a insanidade das bestas pensantes. O acaso é um desafio lançado contra Deus! Quem diz que o acaso existe, afirma que Deus NÃO EXISTE!
 
Todo cientista orgulhoso – e teimoso - que nega a Obra de um Deus Criador, não é grande, na verdade não passa de um anão, um nanico, quando não é um impostor a serviço do grande mentiroso. A máxima proeza que ele consegue é cuspir para o alto para logo adiante ver cair na própria cabeça! Quem nega o óbvio “ululante” está menos para um normal pensante e mais para obstinado no mal e é um intrigante.
 
Como já citei, fala a ciência de um hipotético “big bang” origem de tudo. Eu concordaria com esta tese desde que ela quisesse explicar a explosão do Amor criativo de Deus. Só este Amor, força suprema da criação é capaz de tirar do nada tudo aquilo que aparece, surge e é perpetuado, ou é feito sumir, na perfeição eterna dos ciclos e das eras. O resto é quimera, é ilusão!
 
Quanto mais um homem que se diz inteligente nega a existência de um Deus Criador, mais ele se afasta da Verdade e do Amor. E longe Dele, são remendos, conjecturas, teses, acasos, teorias, talvez, eu acho, quem sabe, pode ser!... Todos os homens, até hoje, que tentaram este caminho de negação morreram infelizes, carregados de ódio insano, pois espiritualmente eram como pobres esterqueiras. Em sua vida inteira não produziram nada mais que asneiras! O tempo que desmentiu Darwin desmentirá a todos os que negam o Criador.
 
Existe outra constatação intransponível, irrefutável e ela se refere à vida, seja animal, ou vegetal: na vez primeira, ela deve surgir inteira! Simplesmente é impossível que uma vida iniciante, pulsante, semovente, se forme aos poucos, partes hoje, partes amanhã, frutos de uma hipotética evolução ou do acaso fortuito. A vida somente existe, porque os primeiros seres de cada espécie foram CRIADOS, já prontos, inteiros, perfeitos, acabados!
 
Assim, não se discute quem veio antes: ovo ou a galinha! Deu fez a primeira galinha, ou muitas delas de início, já pondo ovos! E fez os galos já adultos, prontos e acabados! Este processo é absolutamente impossível de ser adaptado ou mudado. Deus fez já prontas todas as primeiras criaturas de cada espécie. As de sangue frio, e as de sangue quente! Seja pondo ovos, ou parindo crias! Tudo depois, em cada espécie, cumpre a ordem do Criador: crescei e multiplicai-vos! Pela ordem natural, a partir das duas primeiras células! Algo fabuloso!
 
Eis o eterno paradoxo dos que negam a Deus Criador: ovo ou galinha, ovo ou jacaré, ovo ou sapo. Quem veio antes? Ou depois? Qual dos dois? Quando tudo é tão simples: Deus fez os dois, o macho e a fêmea segundo a sua ordem e espécie e já adultos e pondo ovos, ou dando tendo as suas crias, eis que também a vida foi criada, por Deus, do nada!
 
Nenhum animal tem de si mesmo, o poder, a capacidade de alterar coisa alguma em seu ciclo vital, e de seus descendentes, ou SE adaptar, mesmo por uma necessidade ambiental, e assim a nenhuma das características de seu padrão natural. Tudo nele está previsto intrinsecamente, antes, de forma indelével, perfeitamente arquitetado desde o ato Criador. E apenas Ele pode mudar este padrão, eis a verdade! Gambá, sempre foi gambá, e nunca deixará de ser apenas gambá! Ele não evoluiu nem involuiu de um dinossauro ou de uma ameba. Da mesma forma, o homem: sempre foi homem, nunca macaco! Há quem queira!
 
E de igual modo os vegetais, que vieram antes na cadeia da vida. As primeiras plantas já foram criadas em perfeito acabamento. Produzindo sementes segundo a sua espécie. E se multiplicando segundo a ordem Eterna, para servir de alimento e utilidades aos outros seres vivos semoventes, e cobrir de verde imensas áreas do planeta. Elas foram criadas já adultas, cada uma cumprindo a sua função de perfeição eterna. A um ordem de Deus, numa fração de segundo, toda terra se enche de verde adulto! Noutra ordem Dele, a terra vira um deserto!
 
Uma vida, seja animal ou vegetal, não pode surgir por etapas, nem mudar-se em outra por efeito de vontade própria. Adão não surgiu por etapas, nem agregou pedaços: foi criado por Deus já pronto e adulto: com cabeça, tronco e membros! Com boca, estômago, fígado, pulmões e intestinos! Com todos os fluídos que regem seu metabolismo, e com sangue correndo nas veias, e bombeado por um coração! Tudo em perfeição!
 
A evolução como os homens a entendem, não passa de um ato eterno de continuidade da infinita perfeição criadora de Deus. Está gravado na cadeia da vida e é intrínseco da própria ordem inicial dada a aquela criatura. E assim a todas! Tudo o que vive, é formado e é transformado, obedece a um princípio pétreo e inalterável, contido já nas profundezas indecifráveis do próprio ser. Da cadeira da vida! Jamais a mente diminuta do homem penetrará neste abismo insondável, enquanto aqui viver. Sim, Deus pode alterar esta cadeia, de acordo com a Sua Vontade, jamais o acaso fará isso!
 
Pergunto: onde estás tu, Darwin sandeu? Em que inferno a tua alma se meteu, tentando negar as mais acachapantes evidências? Que deu na tua grande ciência, mas demente, que falou que a vida surgiu da “sopa quente”, da boca de um vulcão? Caíste nela, astro decadente? Aprendeste isso do cão? Ele que te ensinou a teorizar? E te ensinou a odiar? E agora que a ciência provou que tu estavas errado – ou demente – já conseguiste perceber que erraste de lado, e te deste muito mal? E eternamente?
 
Pensamos já na matéria criada, na sua multiplicidade, no seu modo de coesão para dar forma visível às coisas existentes. Se até aqui demos já um passo infinito, teremos que caminhar mil infinitos passos mais para entender a vida que pulsa. Como vieram à luz os seres que se movem? Como aconteceu esta extraordinária multiplicidade?
 
Eis a mentira: Dizem os obstinados no mal, que a vida nasceu por caso. Um grão de pó, mergulhado numa sopa de água quente num instante começou a se mover bilhões de anos atrás. Então este grão de pó começou a se multiplicar, mudando-se em outras formas de vida, até gerar, desde as microscópicas bactérias, até os maiores dinossauros e baleias. O acaso disse como seriam: determinou sua forma, tamanho, peso, sexo, cor, capacidades, urros, miados, gritos, pios, vozes, falas, uivos, relinchos, zurros... Bem, neste momento penso que chegamos aos primos distantes dos criadores do acaso.
 
Eis a verdade: Nem decilhões de acasos somados, fariam uma só vida nascer, uma pedra se mover e pulsar, e crescer, e se transformar noutra espécie, em trilhões de espécies vivas, em “evoluir”, em grande perfeição. Sem uma Vontade Criadora e mantenedora, consciente e eternamente dominante, jamais a vida existiria, nem a matéria morta – mas também pulsante – que a compõe. Mas Deus sim, Ele pode suscitar homens de pedras!
 
O cientista mau, luta desesperado para encontrar o “elo perdido”, aquela centelha que prove sua tese ignara do acaso fortuito e gerador da vida. Quero dizer: buscam uma prova de que este animal mudou naquele! Tipo, um celacanto num jacaré! Mas ainda que ele o encontrasse, e ainda que ele provasse que de uma bactéria primeira aconteceram todas as espécies, teria ainda mil infinitos desafios por diante, por exemplo, o sexo!
 
Não há como fugir desta questão crucial. Se uma bactéria criou a vida por acaso, como é que este acaso acertou esta questão de ser macho ou fêmea? Pois cada uma das espécies sexuadas, nalgum dia dos tempos, teve que decidir em assembléia quem deles seria macho, e quem seria fêmea. Haja confusão nesta assembléia! Mas quem os operou?
 
O fato é que sabiamente Deus ordenou a dupla procedência dos seres vivos, para evitar o pecado da soberba. Se cada ser pudesse multiplicar-se de si mesmo, a vida se auto- extinguiria num círculo vicioso de eterno egoísmo. E no caso do homem, deste surgiria uma cadeia infinda de pecados, do qual ele jamais se desvincularia. Então, sabiamente, Deus nos fez necessitados e dependentes uns dos outros. E todos somos dependentes de Deus! Disso que nasce o amor entre as criaturas, senão elas se odiariam mortalmente! E a vida seria impossível!
 
Assim, todos os seres são interdependentes. Na criação não existe auto-suficiência – um precisa do outros para existir e sobreviver – porque ele próprio, inteiro, sem a exceção de nenhum ser vivo, depende do Criador. Se o homem fosse hermafrodito, sendo inteligente, jamais conseguiria aceitar que não fosse um Deus, e o criador de si mesmo! E nisso o acaso jamais pensaria!
 
Quando uma espécie criada por Deus, muda de ambiente ou se adapta na forma de alimentação, de ambiente, mais frio, mais quente, deserto ou vergel, planície ou montanha, na verdade obedece apenas a um princípio natural que nela foi posto, antes, na essência do ser. Sem esta perfeição do Criador, nenhuma espécie subsistiria ao correr das eras. Nem homens, nem plantas, nem feras! Ir, além disso, e insistir numa quimera.
 
Há uma lei natural quanto à vida: seu destino certo e sabido é a morte! Contra ela não há força nem resistência! Isso quer dizer que acima de tudo existe Alguém Eterno que impõe limites a tudo o que existe de material, vivo e não pulsante! Sim, porque se a vida dependesse de si para existir, dependeria apenas de si para se eternizar. Entenderam? Como alguém pode se achar dono da vida, se não consegue dominar a morte? Qual das duas é mais fácil? Matar uma vida é fácil, dar vida, sem Deus, impossível!
 
Sim se os seres vivos fossem frutos da evolução, depois dos bilhões de anos em que se acredita tenha surgido a vida, eles já teriam inventado a fórmula da eterna juventude. Se não fizeram isso até hoje – homens inclusive – é porque a “evolução” jamais chegará lá. Nem daqui a 200 bilhões de anos. Acaso alguém acredita na lenda da eterna juventude?
 
Por mais que o homem penetre nas minúcias da matéria, ele sempre haverá de encontrar uma barreira: e agora? Mesmo que o ele avance no entendimento da essência das coisas ao ritmo destas últimas décadas, ainda assim nem daqui a bilhões de anos terá entendido tudo. Haverá na frente, sempre, outro: e agora? Diante da imensidão do Universo criado por Deus, diante da multiplicidade das coisas existentes, da profusão da vida, animal e vegetal, qualquer arroubo de valentia diante Dele é risível. Que pode um grão de pó que pensa, além de odiar a verdade? O máximo da loucura é negar-se a si mesmo.
 
Todo homem, antes de negar a Deus, deveria observar uma colméia, um formigueiro ou um cupinzeiro. São animais sem cérebro que, entretanto, obdecendo ao Criador vivem numa sociedade perfeita, em harmonia de perpetuação. Se o homem, inteligente como foi criado, não consegue resolver nem seus problemas mais corriqueiros, como entenderá a perfeição Daquele que elaborou as leis da colméia e do cupinzeiro?
 
O fato de o homem haver decifrado todo o genoma humano, diz pouco, diz quase nada. Isso porque cada volta da espiral da vida contém tantos e tão infinitos atributos de perfeição, que a eternidade é pequena para que um cérebro humano comporte tamanha complexidade.
 
Quando escrevia este texto, neste momento soube da notícia “científica” de que nalgum lugar haviam decifrado o código de uma bactéria simples – da área do sexo – e que este “era um passo gigantesco para a criação da vida artificial”. Bem, isso é uma mentira, uma falácia, um engodo. Outra mentira do “acaso”.
 
Sim, somente CRIA de fato, Aquele que domina todas as leis Universais, desde as mais simples às mais complexas, e que antes criou a matéria que compõe a tal bactéria. O homem nunca será capaz de criar nada, menos ainda a vida! Nem o diabo será capaz disso algum dia! Se pudesse criar e evoluir, mudaria sua estrutura, para poder viver no fogo, achando que está no paraíso!
 
Como a vida Sem Deus é impossível, lanço por hipótese um desafio: Escolham dentre os homens os mil mais inteligentes cientistas. Dêem a eles uma longa vida, de um bilhão de milênios para “evoluírem”! Sim e separem para eles, do Universo, o espaço do tamanho do sistema solar! Fizeram isso? Agora tirem deste espaço toda a matéria que existe e naturalmente toda a vida. Ou seja: anulem todas as leis universais já inventadas pelo Criador!
 
1º Desafio: Sozinhos, estes mil gênios, nestes um bilhão de milênios, sem fazer uso das leis naturais já criadas por Deus, sem fazer uso da matéria perfeita já existente, que eles consigam CRIDAR, DO NADA, o primeiro grão de pó! Um só!
 
2º Desafio: Vamos aumentar-lhes as chances: Dêem a eles agora toda a estrutura necessária, máquinas, bens, e domínio sobre a matéria e o mesmo tempo de vida. Sem Deus autor de toda a vida e suas leis, nestes um bilhão de milênios, eles não conseguirão sequer criar uma única bactéria, até porque nem teriam matéria! Quanto mais uma vida que pulse, mova-se, tenha um coração, bombeie sangue pelas veias, e se multiplique, por lei diferente daquela que Deus criou. Nem se fala num ser humano, inteligente!
 
Que se nota nestes homens tão maus e inconseqüentes que se batem tanto para expulsar a Deus do centro de tudo? Nota-se que eles tentam reduzi-lo à dimensão microscópica e risível do seu próprio ser. Sua visão ciranda ao redor do próprio umbigo! Isso quando Ele é infinito em dimensão! Nota-se que tentam dar a Deus a singeleza obtusa de sua própria inteligência! Isso quando Ele é a Sabedoria em plenitude! Quando NADA lhe é impossível!
 
Quem é o homem, para cuidares dele, Senhor? (Sl 143) Que o homem se compare ao infinito da criação. Que olhe os mundos em profusão? O nosso sol é 1,5 milhão de vezes maior do que o planeta terra. Mas existem astros que são milhões de vezes ainda maiores do que o sol. Bilhões, trilhões, são estes números que falam da Glória e do Poder de um Deus que é Soberano e Senhor único de tudo o que existe!
 
Olhem para o infinito: são bilhões de constelações, de galáxias, cada uma com bilhões de astros assombrosos em dimensão. Olhem a perfeição com que este cosmos se move, numa ordem constante e perfeita. E se muda, adquire outra perfeição. Estes mundos não se entrechocam, e se fazem isso é para formar outros mundos, que cumprem apenas uma ordem: faça-se! E tudo isso lhe obedece!
 
Pois a uma simples ordem de Deus, por um efeito singelo de sua Eterna Vontade, se Ele emitir esta ordem novamente: faça-se!, no mesmo instante, numa fração de tempo, este mesmo Universo duplica de tamanho, e duplica novamente, e assim milhares de vezes, sempre em perfeição e ordem, sem caos nem confusão. Tudo extraído do nada! 
 
Da mesma forma a vida em nosso planeta – deixemos os outros astros e pensemos apenas no aqui – se for da Vontade de Deus, num lapso microscópico de tempo, toda a vida pode deixar de existir, e isso sem deixar sequer vestígio. Nela incluída a vida humana! Ou, da mesma forma, e pela mesma vontade, Deus pode multiplicar esta vida, dobrar e assim mais e mais, sem que nada lhes falte.
 
Para Deus não existe limite de tempo, nem noção de espaço. Não existe para Deus o impossível, a não ser o pecado. De fato, o Infinito é ainda menor que Deus! O eterno, igualmente, não comporta a sua idade. Ele Foi sempre, É hoje e sempre SERÁ sem começo e sem fim. Não fora isso não seria Deus! Não tivesse todo este Poder, esta Força, esta Sabedoria, esta Inteligência suprema, não poderia ser Deus! E é devido a isso tudo e ao Seu imenso AMOR criativo, que Ele É Deus!
 
O homem JAMAIS entenderá isso! É então, apenas verme e pó! Mas mesmo verme e pó, o homem – e cada um deles – tem em si, uma alma imortal, algo que é mais valioso do que todo o conjunto do Universo criado, com toda a riqueza que ele contém. E assim seria, ainda que todos os bólidos que compõem o infinito fossem feitos de ouro puro. Tudo isso não teria o valor de uma só alma humana, alma imortal, dom do amor e do Criador.
 
Todo aquele homem ou mulher, que despreza esta alma, ou se descuida dela, ou a troca pela migalha infinitesimal de alguns anos de vida nesta terra, comete o mais pavoroso de todos os desatinos. E adquire para si o mais aterrorizante dos destinos! E destino eterno! A troca pelo inferno! Ele significa a vida sem Deus! Sem o amor, só ódio e terror!
 
Toda alma que, conscientemente – mesmo que seja também estupidamente – decidir se afastar para sempre de Deus, está mergulhada na mais abissal teimosia, pois somente os teimosos negam a existência de Deus. Teimosos e tolos, porque debatem as causas segundas, firmam-se em pressupostos falsos, avançam em mentiras, crescem em tolices, e nadam nelas como dentro de um redemoinho, até entontecerem, e enlouquecerem. E todos os que pregam o “acaso”, na verdade desprezam suas pobres almas!
 
Enfim, Deus existe e só Ele faz! E faz tudo por amor! O amor é a medida de todas as coisas! Todo o Universo existe, porque existe o AMOR de um Deus, que é AMOR. É este amor que cria, agrega, reúne, molda, firma, fixa ou espalha e move todas as coisas. Nenhum grão de pó do Universo subsiste sem a Consciência Eterna do seu Criador. Nenhuma vida respira, sem a vontade expressa do Criador! Ninguém faz nada, sem Deus! 
 
De fato, quanto mais o homem diminui o Poder Infinito de Deus, mais diminui-se a si mesmo. Quanto mais o homem nega a existência de Deus, mais se nega a si mesmo. Quanto mais se afasta livremente deste Poder Infinito, deste Amor Eterno e Criador, mais mata-se a si mesmo, mais se condena a à servidão eterna. Quanto mais o homem tenta se livrar de Deus, mais se entrega ao demônio!
 
ENFIM, pergunto: por qual motivo os homens discutem e tentam derrubar todas estas verdades incontestáveis? Simples! Porque resolveram eles mesmos se colocarem no lugar de Deus. O próprio homem quer ser um Deus! No que se faz outro demônio! Lucifer fez igual! E é devido a isso que o homem perdeu todo o sentido e a responsabilidade pelo governo da natureza, porque quer descumprir outra ordem primeira do Criador que nos disse: dominai a terra! Dominai sobre toda a criação! Sim, com equilíbrio, mas dominai, e não sejam dominados!
 
Que faz o homem? Chega ao absurdo extremo de se julgar, ele mesmo, um estorvo na criação, relegando ao esterco sua indiscutida e infinita superioridade ante todos os outros seres vivos. Um ser dotado de uma alma imortal, jamais poderá ser equiparado a qualquer outro ser vivo, e jamais deverá se considerar como um elemento perturbador, ou intruso na criação. Este raciocínio é diabólico! Vem do demônio! A natureza existe para o homem, foi criada por Deus para que sirva ao homem, e assim as plantas e os animais. Sem o homem com sua alma imortal a vida na terra não teria sentido eterno algum!
 
Este extremo reflete a loucura humana já chegando aos limites da animalidade estúpida! Em milhares de pessoas, parece já imperar um pensamento alucinado, de que para o bem dos animais, devemos dar fim à raça humana. Por isso o aborto, o clone, a morte dos embriões, o desprezo a si mesmo e aos da mesma espécie. Por isso o homem engole todas as mentiras dos ecologistas e estupidamente aceita conviver em igualdade com as bestas, os cães, os gatos, e até os porcos, bichos sujos - sempre sujos - que acolhe em suas residências.
 
Vou encerrar com algo que considero o limite extremo, o cúmulo do rebaixamento: é ver um homem, passeando no parque, com um cão pela coleira, tendo junto um saquinho pra colher o esterco dele, uma escovinha e água para limpar o xixi que fazem nas árvores, postes e pneus de carros. Não pode existir paspalho maior que um homem carregando pela rua um saquinho com titica de cachorro! Não se sabe mais aqui, qual dos dois deveria estar na coleira!
 
Desejo insano de se rebaixar? Quem sabe o célebre “acaso” em breve lhes arrume um jeito de reverter esta situação: serão os homens a fazer titica na rua e os cães a levá-los pela coleira. É agindo desta forma que satanás leva milhares de ecologistas - e cientistas do acaso - pela coleira... Para a casa dele, naturalmente!
 
Aarão
  
ADENDO: O sujeito que diz que o óvulo de fêmea e o espermatozóide de um macho que formam uma vida, pois neles está contida toda a informação sobre este novo ser, nada lhe podendo ser acrescentado a posterior, que isso surge ao acaso, deve ser considerado já louco.

 

 


 
 
 

Artigo Visto: 761 - Impresso: 33 - Enviado: 15
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 17 - Total Visitas Únicas: 253686 - Usuários online: 7