COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
09/01/2012
DEUS PROÍBE O USO DE IMAGENS?
Deus não sómente permitu mas até mandou que se fizessem imagens sagradas
 
Deus proibe o uso de imagens?
 
No livro do Êxodo 20,4-5 Deus parece proibir o uso de imagens. Mas porquê essa proibição? Porque podiam ser ocasião a que o povo de Israel as adorassem, como faziam os povos vizinhos dados à idolatria. Os israelitas tendiam a imitar gestos religiosos pagãos e, por isso, muitas vezes caíram na idolatria. Deus queria incutir o conceito de Javé, mostrando que o Senhor era diferente dos deuses dos outros povos.
 
Tomadas as cautelas contra o perigo da idolatria, Deus não somente permitiu, mas até mandou que se fizessem imagens sagradas.
 
Veja:
 
Ex 25,17-22, Deus manda Moisés colocar 2 querubins de ouro na Arca da Aliança, onde Javé falava com seu povo.
 
1Rs 6,23-28, No Templo construído por Salomão foram colocados querubins de madeira junto à Arca da Aliança. E as paredes do templo tinham imagens de querubins. Tudo feito com ordem de Deus, conforme vemos em 1Cr 22,6-13.
 
1Rs 7,25.29, No Templo de Salomão havia também bois de metal, leões, touros e querubins.
 
Nm 21,8-9, Deus ordenou a Moisés que fizesse uma serpente de bronze, e quem olhasse para ela seria salvo.
 
Ex 31,1-11, Deus diz a Moisés que "encheu do espírito divino a Beseleel para lhe dar sabedoria e habilidade para todo tipo de obra: trabalho de ouro, prata, bronze, madeira, etc." (vs 1-4). E em Ex 35,35, Moisés diz ao povo que Deus "o dotou de talento para executar toda sorte de obras de escultura e de arte..."., conforme confirma Ex 38,23 que diz que Beseleel era "perito em escultura". Finalmente, em Ex 37,7 vemos que foram feitos 2 querubins de ouro. E todo o trabalho foi abençoado por Deus: Ex 39,42-43.
 
A cultura dos povos evoluiu e a filosofia foi mostrando quanto é absurdo atribuir a uma escultura a força da divindade, de modo que o perigo da idolatria foi diminuindo. Por isso o uso de imagens foi-se implantando.
 
No século III, encontramos sinagogas da Palestina com pinturas e figuras humanas. A sinagoga de Dura-Europos, na Babilônia, tinha a representação de Moisés, Abraão e outros.
 
As antigas catacumbas cristãs apresentavam imagens bíblicas. Noé salvo do dilúvio, Daniel na cova dos leões, o Peixe que simbolizava o Cristo e muitas outras.
A veneração que a Igreja presta às imagens, só é válida na medida em que é oferecida indiretamente àqueles que as imagens representam.
 
Veja alguns depoimentos sobre o uso das imagens:
 
"Uma coisa é adorar uma imagem, outra coisa é aprender, por essa imagem, a quem se dirigem as tuas preces. O que a Escritura é para aqueles que sabem ler, a imagem o é para os iletrados. Por essas imagens, aprendem o caminho a seguir. A imagem é o livro daqueles que não sabem ler" (Papa São Gregório Magno)
 
"Quanto mais os fiéis contemplarem essas representações, mais serão levados a recordar-se dos modelos originais. Uma veneração respeitosa sem que isto seja adoração, pois esta só convém, segundo a nossa fé, a Deus." (Concílio de Nicéia II)
 
"Ninguém há tão simples e iletrado que possa desculpar-se de não saber como viver retamente, quando tem diante de si na imagem do Crucificado, um livro ilustrado, escrito, de forma clara e legível, em que todas as virtudes são aprovadas e todos os vícios reprovados." (Jean Gerson)
 
"Outrora Deus invisível, nunca era representado. Mas agora que Deus se manifestou na carne e habitou entre os homens, eu represento o "visível" de Deus. Não adoro a matéria, mas o Criador da matéria." (ib I.16)
 
Para finalizar, saibamos que em Karlsruhe, em 1956, os luteranos reunidos em Congresso ponderaram que a ordem de Cristo de pregar o Evangelho em todas as línguas, inclui também a linguagem figurada do artista. Perguntavam-se: "Porque admitir as impressões auditivas na catequese e rejeitar as impressões visuais? Estas parecem ainda mais eficientes do que aquelas." (Der christliche Sonntag, em 14/10/1956, pág. 327)
Dom Estevão Bettencourt
Apostila do Mater Ecclesiae
 
 
O católico adora os santos?
Adoramos a Deus. Veneramos os seus santos. Adorar é proclamar submissão a alguém como Ser Supremo. Adora-se apenas a Deus. Louvar é elogiar alguém, seja ele quem for. Louva-se a Deus, a heróis, a pessoas boas, a quem acerta ou vence. A Bíblia louva inúmeros homens e mulheres.
 
Venerar é tributar grande respeito e admiração, render culto, reverenciar. Venera-se os anciãos, os pais, as pessoas boas, os escolhidos de Deus. Deus merece mais que um grande respeito. Deus merece adoração.
 
Nós católicos adoramos só a Deus, mas veneramos, admiramos e fazemos festa para os cristãos cuja vida deu certo. Adoramos só a Deus, mas veneramos Maria e todos os santos. São veneráveis porque dignos de elogio e respeito, e beatos porque são felizes de verdade, porque se deram bem na aventura de viver.
 
A Bíblia não me condena por isso. Condenaria se eu os adorasse. Isso eu nunca fiz nem farei! Sou inteligente o bastante para saber a diferença.
 
Pe. Zezinho, scj - Revista "Ir ao Povo" no. 39




 
 
 

Artigo Visto: 949 - Impresso: 52 - Enviado: 18
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 134 - Total Visitas Únicas: 316759 - Usuários online: 20