COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
16/07/2020
A VIA LÚCIS
As 15 Estações da Via Sacra de Jesus
 

VIA LUC

VIA LUCIS

 

Nós católicos, vivenciamos extraordinariamente o tempo que decorre entre a quarta-feira de Cinzas e o sábado de Aleluia - o tempo dedicado à Quaresma. Quarenta e sete dias vividos em tempo de jejuns, Vias Sacras, Penitências de toda a natureza, momentos de reconciliação, como preparação para a Páscoa. Alegramo-nos depois no dia da Ressurreição do Senhor, mas pouco valorizamos os 47 dias até ao dia de Pentecostes, em que termina o chamado Ciclo Pascal.

Pois, estes dias são muitíssimo importantes na vivência eclesial. São os dias que recordam o aparecimento da Igreja instituída por Cristo, a sua consolidação e o começo da sua expansão como cumprimento do mandato do Senhor aos Seus Apóstolos e a todos os batizados no fogo do Espírito.

É este tempo que procuraremos recordar e viver na «Via Lucis», ou Via Gloriosa de Jesus Cristo, que continua presente em todos os momentos da nossa existência terrena, a caminho da Terra Prometida e do Banquete final do Reino de Deus.

Saibamos vivê-la festivamente, como tempo de paz, de alegria e de conscientização da missão que nos foi confiada no nosso Batismo!

 

1.ª ESTAÇÃO

A ressurreição de Jesus

Leitor 1: «Porque buscais entre os mortos Aquele que vive? Não está aqui; ressuscitou!» (Lc 24, 5b-6 a)

Leitor 2: Nós, os cristãos vivemos muito da tristeza, do abatimento, da Penitência, da Quaresma, de Jesus Crucificado.

Leitor 1: Jesus Crucificado já não existe. Foi-O há 2000 anos! Ele está vivo! Está aqui, junto de nós. Assim o prometeu. Assim o concretiza no dia-a-dia da nossa vida.

Leitor 2: Senhor, ajuda-me a sentir a Tua presença no quotidiano da minha vida. Ilumina-me para que Te veja sempre vivo e presente em tudo aquilo que vivo, que sinto, que realizo.  

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

2.ª ESTAÇÃO

O aparecimento de Jesus a Sua Mãe

Leitor 1: A Bíblia nada nos relata sobre isto. Todavia, seria inacreditável que o Senhor não aparecesse em primeiro lugar à Sua própria Mãe.

Leitor 2: Como terá sido este encontro? O que terão dito um ao outro? Quão grande terá sido a alegria de Maria e maior que tudo a confirmação viva do essencial daquilo que o Anjo Lhe tinha prometido na Anunciação.

Leitor 1: O encontro com Jesus vivo é sempre motivo de satisfação e alegria! Será que eu sinto Jesus vivo? Alegro-me na conscientização desta Sua presença real junto de mim? Acredito que Ele disse: «quem Me vê, vê o Pai?».

Leitor 2: Senhor Jesus, acredito firmemente que apareceste a Tua Santa Mãe em primeiro lugar. Decerto que no meio da alegria comum do reencontro Tu Lhe disseste que Ela olhasse por nós, como anteriormente Lhe tinhas pedido, já na Cruz. Permite-nos, Senhor, acentuar dentro de nós esta certeza da Tua companhia e da ajuda de Tua Mãe Santíssima.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

3.ª ESTAÇÃO

Jesus Se encontra com Maria Madalena

Leitor 1: Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios (Mc 16, 9)

Leitor 2: Maria Madalena pensou ser o jardineiro que se lhe dirigia e Lhe perguntara porque chorava. Quando reparou melhor, viu que era Jesus. Fez menção de Lhe tocar. O Mestre disse-lhe que o não fizesse, porque ainda não entrara na Glória do Pai.

Leitor 1: Jesus está vivo, mas já não se manifesta de modo físico, como durante a Sua vida na história dos homens. Tem de ser descoberto pelos olhos da fé.

Leitor 2: Senhor Jesus, quantas vezes Te olhamos sem Te conhecer. Revestes-Te dos aspectos mais humildes possíveis: um hortelão, um jardineiro, um pedinte, uma criança, um velhinho... E passamos adiante, chorando, porque Te não descobrimos. Ajuda-nos, Senhor, a ter os olhos bem abertos para Te reconhecermos nas presenças que encarnas no nosso dia a dia.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

4.ª ESTAÇÃO

Jesus encontra-Se com os onze

Leitor 1: «Ao anoitecer desse dia, estando fechadas as portas do lugar onde se achavam os discípulos por medo das autoridades dos judeus, Jesus entrou. Ficou no meio deles e disse: 'A paz esteja convosco!'» (Jo 20, 19)

Leitor 2: Ao anoitecer do primeiro dia da semana. os discípulos encontravam-se reunidos, mas com medo. Por isso tinham as portas fechadas. Mesmo assim, Jesus entrou e ficou no meio deles e saudou-os com a Sua paz.

Leitor 1: Quantas vezes também nós nos encontramos reunidos, mas com medo. Medo do mundo, das adversidades, dos sofrimentos, das desgraças, de nós mesmos... Todavia, com as portas do coração fechadas à entrada do Senhor, Ele procura-nos, interpela-nos, dá-nos a Sua paz.

Leitor 2: Meu Senhor e meu Deus ajuda-me a abrir de par em par as portas do meu coração, a fim de que possa exorcizar os meus medos e consiga encontrar a Tua paz e a tranqüilidade que ela me traz.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

5.ª ESTAÇÃO

Jesus está vivo na comunidade

Leitor 1: «dizendo isto, mostrou-Lhes as mãos e o lado. Então os discípulos ficaram contentes por ver o Senhor» (Jo 20, 20)

Leitor 2: Só vendo as mãos e o lado, os discípulos sossegaram e ficaram contentes!...

Leitor 1: Como eles, também nós queremos ver, para ficarmos contentes... para nos alegrarmos!

Leitor 2: Perdoa-nos, Senhor, por só ficarmos contentes quando vemos o efeito do encontro Contigo, depois das ações realizadas no concreto. Até esse momento não temos a coragem suficiente para nos alegrarmos, apesar de sabermos que Te tornas presente sempre que, de coração sincero, Te procuramos.   

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

6.ª ESTAÇÃO

Jesus ressuscitou para nos enviar

Leitor 1: «Jesus disse-lhes novamente: “A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós”. E, tendo dito isto, soprou sobre eles, dizendo: “Recebei o Espírito Santo”. (Jo 20, 21-22)

Leitor 2: Foi preciso uma segunda vez saudá-los na paz, para pacificar aqueles corações sobressaltados. Depois de sossegados, envia-os em nome de Seu Pai, com a bênção do Espírito Santo.

Leitor 1: Como os discípulos, nós, embora sabendo da presença de Jesus no meio de nós, temos de ser confirmados na paz do Espírito Santo para ficarmos menos inquietos. Sabemos que fomos batizados no Espírito, para sermos enviados a anunciar a Boa Nova. Será que acolhemos a paz para nos conscientizar da missão que nos foi confiada no nosso Batismo?

Leitor 2: Com o auxílio do Divino Espírito Santo, ajuda-nos, Senhor, a sermos fiéis ao Batismo recebido, de modo que sejamos verdadeiros arautos da Boa Nova, por palavras e por obras, junto dos homens nossos irmãos.  

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

7.ª ESTAÇÃO

A comunidade é testemunha de Jesus ressuscitado

Leitor 1: Tomé não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos disseram-lhe: “Nós vimos o Senhor”. Tomé disse: “Se não vir não acreditarei”! (Jo 20, 24-25)

Leitor 2: Tomé não estava com eles e não acreditou que Jesus estivesse vivo. Queria ver a marca dos pregos e colocar nelas os dedos e a mão no lado aberto do Senhor.... Queria certezas.

Leitor 1: A certeza é científica, experiencial. A fé brota do coração, não dos olhos. Confia no testemunho idôneo daqueles que o rodeiam e adquire a inteligibilidade da veracidade do testemunho de quem ama e por quem verdadeiramente é amado.

Leitor 2: Senhor! A certeza de que estás vivo é o testemunho autêntico daqueles a quem aparecestes e a Tua própria palavra. Ainda assim, muitas dúvidas vão persistindo algumas vezes na nossa mente induzida pelas verdades cientificamente comprovadas. Somos homens e mulheres de pouca fé. Perdoa-nos na nossa mesquinhez a auxilia-nos a crescer na fé na Tua pessoa e na Tua Palavra.  

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

8.ª ESTAÇÃO

O aparecimento a Tomé

Leitor 1: «Uma semana depois, os discípulos estavam outra vez reunidos. Desta vez Tomé estava com eles (...) disse a Tomé: “Chega aqui o teu dedo e vê (...) e não sejas incrédulo, mas crente”. “Acreditaste porque viste. Felizes os que acreditam sem terem visto”. (Jo 20, 26-29)

Leitor 2: Tomé acreditou porque viu. Todavia, não fora o único que não acreditara, uma vez que todos os outros só acreditaram depois de terem visto e, mesmo assim, durante muito tempo ainda foram tendo as suas dúvidas.

Leitor 1: Uma coisa, porém, nos serve de consolo na nossa vida. Apesar dos altos e baixos da nossa fé em Jesus Cristo, fomos por Ele chamados de felizes, de bem-aventurados, porque acreditamos sem termos visto.

Leitor 2: Obrigado, Senhor, pela atenção que desde aquela altura sempre nos tens dedicado, pela felicidade de sermos chamados de bem-aventurados, apesar dos nossos muitos deslizes. Pedimos-Te que sustentes a fidelidade e a coerência da nossa fé na Tua pessoa.  

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

9.ª ESTAÇÃO

Jesus caminha com os homens

Leitor 1: Nesse mesmo dia, dois discípulos iam para uma aldeia, chamada Emaús o próprio Jesus aproximou-se e começou a falar com eles. Então começando por Moisés e continuando por todos os Profetas, Jesus explicava aos discípulos as passagens da Escritura que falavam a respeito Dele. Sentou-Se à mesa com os dois, tomou o pão, abençoou-o, depois partiu-o e entregou-lho. Os olhos dos discípulos abriram-se. “Não ardia o nosso coração quando Ele nos falava...(cf .Lc 24, 13-35)

Leitor 2: Jesus caminha lado a lado com os discípulos sem ser reconhecido. Quando os olhos se abriram à compreensão da Palavra e ao partir do Pão é que deram conta que o seu coração se inflamava com este contato.

Leitor 1: Senhor Jesus, Tu caminhas lado a lado conosco na estrada da nossa vida, acompanhando-nos nas nossas amarguras e nas nossas tristezas. Raramente, porém, conseguimos ter os olhos abertos para Te ver, e os ouvidos atentos para Te escutar...

Leitor 2: Meu Senhor e meu Deus, auxilia-nos a saber ver-Te a nosso lado, acompanhando-nos em todos os momentos da nossa vida, de tal modo que o nosso coração inflamado por Ti, consiga transmitir a Tua constante presença, a fim de que saibamos, com ardor, comunicá-la a todos aqueles que nos rodeiam.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

10.ª ESTAÇÃO

Jesus aparece a Simão

Leitor 1: «... “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão”, disseram os outros aos discípulos de Emaús.

Leitor 2: Como terá sido este primeiro encontro de Simão com o Mestre? De que terão ambos falado? Como terá Pedro reagido? Decerto que ficou surpreendido e remetido a um silêncio comprometedor, mas contemplativo!...

Leitor 1: De que modo e em que ocasião também nós teremos sentido a presença do Mestre na nossa vida? Temos tido plena consciência dessas presenças? Quando? Onde? Como? E, de que modo a elas temos resistido?

Leitor 2:  Senhor Jesus, ajuda-nos a estarmos atentos à Tua presença nos diversos momentos da nossa vida. Quando escutamos a Tua Palavra, que ela nos alegre, pois é a Tua presença; quando entramos na intimidade através da Eucaristia, que ela nos consiga a paz, quando Te conseguimos descobrir nos outros, que nos estimule o espírito missionário e de serviço.  

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

11.ª ESTAÇÃO

Jesus aparece aos discípulos na margem do Tiberíades

Leitor 1: «... na margem do Tiberíades (...) eles (Pedro e os discípulos) entraram na barca (para pescar). Mas naquela noite não pescaram nada. Quando amanheceu, Jesus estava na margem (...) Logo que saltaram para terra, viram um peixe nas brasas e pão». (cf. Jo 21, 1-14)

Leitor 2: A canseira de uma noite inteira na faina de pescar resultara inútil. Mas à indicação da palavra de Jesus, que se encontrava na margem, a abundância de peixe foi tanta que quase arrebentava as redes.

Leitor 1: É verdade, Senhor, sem Ti por perto, nada conseguiremos. A nossa sabedoria, a nossa habilidade, o nosso conhecimento, nada conseguem se a Tua presença não informar a nossa ação.

Leitor 2: Senhor Jesus, não nos deixes separar de Ti. Que a Tua presença sempre Se faça sentir na nossa ação quotidiana e que nós jamais empreendamos qualquer atividade sem Te ter presente como guia, conselheiro e distribuidor providente de todo o nosso alimento que fortifica e dá sentido à nossa atuação.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

12. ª ESTAÇÃO

Amar para dirigir a comunidade

Leitor 1: «Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, amas-Me mais do que estes?” Pedro respondeu: Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo. Jesus disse: “Cuida dos meus cordeiros” (...) Então Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele O amava» (Jo 21, 12-18)

Leitor 2: Por três vezes o Senhor perguntou a Simão se O amava e por três vezes obteve a mesma resposta. Por certo que Simão, lembrado da tripla vez que negara o Senhor, durante o culminar da Sua paixão, ficou triste mas, sinceramente arrependido e com pesar, três vezes reiterou o seu amor.

Leitor 1: Foi neste contexto que o Senhor ratificou aquilo que anteriormente tinha manifestado e outorgou toda a sua confiança a Pedro, como chefe da Igreja nascente, e lhe conferiu o poder de governar no amor essa mesma Igreja, conjuntamente com os restantes apóstolos.

Leitor 2: Meu Senhor e meu Deus, confrontados com a Vossa infinita misericórdia, nós Vos louvamos e bendizemos, porque até das coisas más, como as negações com que constantemente Vos presenteamos, apesar de tudo, Vós nos confirmais como anunciadores da Boa Nova e continuais a confiar na nossa atividade desde que exercida com amor. 

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

13.ª ESTAÇÃO

A promessa do envio do Paráclito

Leitor 1: «Foi aos Apóstolos que Jesus, com numerosas provas, Se mostrou vivo depois da Sua paixão: durante quarenta dias apareceu-lhes e falou-lhes do Reino de Deus. (...) Jesus deu-lhes esta ordem: “Não vos afasteis de Jerusalém. Esperai que se realize a promessa do Pai (...) e vós, dentro de poucos dias, sereis batizados com o Espírito Santo”» (At 1, 3-5)

Leitor 2: Jesus mostrou-Se vivo aos Apóstolos durante quarenta dias, falando-lhes do Reino de Deus; instruindo-os, ainda, durante a Sua via gloriosa e prometendo-lhes a Sua presença “até ao fim do mundo” (Mt 28, 20) com a assistência permanente do Espírito Santo.

Leitor 1: A Sua promessa mantém-se inalterável. Como os Apóstolos, cada um de nós foi batizado no Espírito Santo com a obrigação missionária de fazer discípulos em todo o lugar onde nos encontremos.

Leitor 2: Ajudai-nos, Senhor Jesus, a sermos fiéis ao Batismo recebido e a tomarmos plena consciência de que somos templos vivos da morada do Espírito Santo.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

14.ª ESTAÇÃO

A Ascensão de Jesus ao Céu

Leitor 1: «Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi arrebatado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus». (Mc 16, 19)

Leitor 2: Jesus voltou para o seio do Pai, de onde viera. Cumprira na Sua aparência física e gloriosa a Sua missão neste mundo. Mas não nos deixou sós!...

Leitor 1: Ele continua a acompanhar-nos nos caminhos deste mundo Se tornando presente na Sua Palavra; no seio da comunidade eclesial; realmente presente na Sagrada Eucaristia; em cada um dos nossos irmãos e irmãs com quem diariamente lidamos e com aqueles com quem nos cruzamos; presente também em cada um de nós. Continua presente nas alegrias e nos sofrimentos; nos momentos mais fáceis e naqueles que se nos apresentam mais difíceis.

Leitor 2: Senhor Jesus, ajuda-nos a abrir os nossos olhos para que Te consigamos ver presente nas coisas mais banais e naquelas mais complicadas, a fim de que a Tua presença contínua no meio de nós se torne uma realidade na nossa vida e, pelo testemunho, na vida de todos os homens. Deste modo, todos juntos conseguiremos preparar os “novos céus e a nova terra” que Tu tão veementemente prometeste, para que Deus seja “tudo em todos”.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória

 

15.ª ESTAÇÃO

O cumprimento da promessa

Leitor 1: «Quando chegou o dia de Pentecostes, os apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar. Subitamente, fez-se ouvir, vindo do Céu, um rumor semelhante a forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo, que se iam dividindo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem». (At 2, 1-6)

Leitor 2: Jesus tinha prometido aos Seus discípulos que não os deixaria sozinhos e que lhes enviaria o Paráclito (cf. Jo 14, 16-26).

Leitor 1: Ao afirmar que o Espírito desceu sobre os discípulos no dia de Pentecostes, Lucas quer ensinar-nos uma só coisa: que o Espírito substituía a antiga lei e se transformara na nova lei para o cristão. É o coração novo, é a vida de Deus que, quando entra no homem, o transforma e o fecunda produzindo nele, espontaneamente, as obras de Deus.

Leitor 2: Senhor fazei com que o Espírito Santo que desceu sobre nós na efusão do Batismo e nos pôs a falar todas as línguas, no diálogo do amor e da vida em comunhão, seja sempre força na luta, queime todas as nossas imperfeições e nos confirme na unidade da diversidade, a fim de recordarmos tudo o que Jesus nos ensinou, para chegarmos sem desvios à Verdade total. Amém.

Pai Nosso, Ave-Maria e Glória


 

 
 
 

Artigo Visto: 131 - Impresso: 0 - Enviado: 0
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 222 - Total Visitas Únicas: 467468 - Usuários online: 24