Cidadãos do Infinito




Doutrina Católica
  • Voltar





15/09/2021
Há heresias que começam da cintura para baixo
“Existe um nexo entre a pureza do coração, do corpo e da fé”. Por isso, quando uma pessoa faz da impureza um projeto de vida, padece não só a sua carne, mas também a sua mente e o seu espírito. São as heresias que começam da cintura para baixo.


Existe um nexo entre a pureza do coração, do corpo e da fé” (CIC 2518): essa famosa citação expressa a ideia de que os desejos, impulsos e atos sexuais (a saber, fora do matrimônio heterossexual e da procriação) são contrários à teologia, que os define como intrinsecamente imorais. Portanto, quem se deleita com esses pensamentos e atos tende a querer rejeitar também a teologia, ao invés da própria sexualidade mal vivida. Por causa disso, começa a cair em heresia.

Talvez a manifestação clássica dessa mentalidade seja a afirmação do escritor e filósofo inglês Aldous Huxley (1894-1963), autor de quase cinquenta livros e muito famoso por ter escrito Admirável Mundo Novo (1932). Por coincidência, ele morreu no mesmo dia em que C. S. Lewis e John Kennedy. Numa coleção de ensaios publicada em 1937, Huxley escreveu o seguinte:

Eu tinha motivos para não desejar que o mundo tivesse um sentido; consequentemente, presumi que não tinha sentido algum e pude, sem qualquer dificuldade, encontrar razões satisfatórias para esse pressuposto. O filósofo que não vê sentido no mundo não está preocupado apenas com um problema de metafísica pura. Ele também se preocupa em provar que não há uma razão válida pela qual ele não deveria fazer o que quer fazer. Para mim, e sem dúvida para a maioria dos meus amigos, a filosofia da falta de sentido era, em essência, um instrumento de libertação de certo sistema de moralidade. Contestamos a moralidade porque ela interfere em nossa liberdade sexual.

Lendo a conceituada biografia de Lewis escrita por seu amigo George Sayer, intitulada Jack: C. S. Lewis and His Times (“Jack: C. S. Lewis e sua Época”, sem trad. portuguesa), fiquei surpreso ao saber que, para ele, Lewis (quando tinha entre 13 e 15 anos) perdeu a fé cristã da infância por causa da imoralidade sexual.

 


Lewis (quando tinha entre 13 e 15 anos) teria perdido a fé cristã da infância por causa da imoralidade sexual.


 

Isso confirma minha argumentação como apologista, segundo a qual a perda da fé e a apostasia muitas vezes (senão frequentemente) são o resultado de processos e impulsos não racionais, e não do fracasso do cristianismo ao ser submetido a uma análise intelectual séria. Sayer afirma o seguinte na página 31 do livro:

Ele começou a se masturbar […]. Fez o firme propósito de jamais fazer isso outra vez, e então sofreu repetidas vezes com a humilhação de não conseguir perseverar. Ele diz que sentia aquilo que São Paulo descreve na Carta aos Romanos (cf. 7, 19-24): “Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero”. Ele também rezava, e como suas orações não eram escutadas, logo perdeu a fé […]. Para alcançar um equilíbrio psicológico, teve de reprimir os fortes sentimentos de culpa, o que ele realizou ao rejeitar o cristianismo e sua moralidade.

Consigo imaginar um ateu ou alguém que, sob outros aspectos, seja cético em relação ao cristianismo (ou particularmente ao catolicismo) dizendo: “Bem, como podemos culpar o jovem Lewis? Afinal de contas, ele decidiu com sinceridade abandonar a prática da masturbação, algo que [erradamente] considerava errado, e rezou sinceramente a Deus para conseguir ajuda no cumprimento daquela decisão, e Deus [supondo, a título de argumentação, que realmente existe] o decepcionou. Portanto, não teria sido culpa de Deus, e não dele?”

Há várias condutas muito viciantes ou obsessivas que os seres humanos assumem voluntariamente, mas depois descobrem que foram escravizados, gostariam de parar e, infelizmente, não conseguem. De modo geral, de início não se vê que essa condutas se tornarão tão controladoras ou viciantes; mas, depois que alguém é dominado por esse tipo de conduta, é muito difícil escapar.

 


“Contestamos a moralidade porque ela interfere em nossa liberdade sexual.”


 

Quem é o culpado disso? Deus ou a pessoa que iniciou a jornada em direção àquele comportamento? Eu digo que é a pessoa e que acusar a Deus é transferir a culpa a outrem. Podemos pensar em muitos vícios: por exemplo, fumar, consumir drogas, agredir a esposa, ser guloso ou viver a promiscuidade sexual desenfreada. Mesmo coisas intrinsecamente boas podem tornar-se viciantes e destrutivas: pensemos, por exemplo, num homem que queira ler livros ou praticar a jardinagem o dia inteiro, negligenciando assim sua obrigação de sustentar a família.

Somos nós que começamos essas coisas; mas, por causa de um orgulho bobo, queremos culpar outra pessoa, quando é evidente que somos nós os envolvidos em condutas prejudiciais e destrutivas. Deus é o alvo errado, porque sempre nos podemos convencer de que “Deus deve me dar a capacidade de parar, se eu lho pedir”. Logo, se Ele não o fizer, poderemos dizer que Ele ou é impotente ou não existe.

Na verdade, há uma coisa chamada graça, um poder divino de superar o pecado e o mal (ver, por exemplo, Rm 8, 37 e Fp 4, 13). Eu e praticamente todo cristão sério experimentamos esse auxílio diversas vezes e, na verdade, grupos muito bem-sucedidos como os Alcoólicos Anônimos pressupõem que ela existe e pode ajudar os alcoólatras a largarem a bebida.

O que quero dizer é que é irracional exigir que Deus (um ser onisciente e infinitamente superior a nós e, portanto, muitas vezes inexplicável, como nós o seríamos para uma formiga) faça neste exato momento aquilo que eu desejo, por medo de ser rejeitado ou desacreditado caso não faça nada.

Deus não tem obrigação de realizar milagre algum nem de atender a todas as nossas orações. Ele faz o que faz em seu próprio ritmo, por suas próprias razões inescrutáveis e objetivos providenciais. Deus não é uma varinha mágica nem um boneco de meia que pode ser usado ao nosso bel prazer. 

Dizer “ou Deus faz X ou não quero mais saber dele!” é ter uma espiritualidade infantilóide, é racionalizar os próprios caprichos, é ter um exagerado senso de (falsa) liberdade. É o pecado original de Adão, Eva e o demônio: escolher a própria vontade no lugar da vontade de Deus. Aldous Huxley reconheceu (de modo admirável) que fazia exatamente isso. E creio que o jovem C. S. Lewis (supondo que a opinião de Sayer esteja correta) também fazia a mesma coisa, e isso era irracional e insensato pelas razões acima apresentadas. Mais tarde, Lewis explicou como e por que a moralidade sexual é tão importante

 


Você supõe que um princípio moral tradicional deva apresentar uma prova de sua validade antes de ser aceito. Eu suponho o contrário: ele deve ser aceito até que alguém apresente uma refutação definitiva.

Além disso, concordo que seja idiotice falar em “desperdício de fluidos vitais”. Para mim, o verdadeiro mal da masturbação reside no fato de ela usar um desejo que, se aplicado de forma correta, conduz a pessoa para fora de si, de modo que possa completar (e corrigir) sua própria personalidade na de outra pessoa (e finalmente nos filhos e netos) e o inverte, enviando o homem novamente à prisão de seu ego a fim de que lá ele possa manter um harém de noivas imaginárias. Depois de ser aceito, esse harém impede que o homem se liberte de si mesmo e se una verdadeiramente a uma mulher real.

Pois o harém é sempre acessível e subserviente, não exige sacrifícios ou ajustes, além de ser dotado de atrações eróticas e psicológicas com as quais nenhuma mulher verdadeira pode competir. O rapaz é sempre adorado pelas noivas sombrias, é sempre considerado o amante perfeito: não exigem nada de seu altruísmo, jamais é imposta à sua vaidade alguma mortificação. No final das contas, elas se tornam apenas o meio pelo qual ele cada vez mais cultua a si mesmo… A faculdade do amor não é a única a ser esterilizada e a ter de retroceder, mas também a faculdade da imaginação...

A masturbação implica esse abuso da imaginação em temas eróticos (que eu considero mau em si) e, portanto, estimula um abuso semelhante dela em todas as esferas. Afinal de contas, a principal tarefa da vida é praticamente sairmos de nós, da pequena e obscura prisão na qual nascemos. A masturbação deve ser evitada, bem como todas as coisas que retardam esse processo. O perigo que nos ronda é o de acabar amando a prisão.]

SITE PADRE PAULO RICARDO.




Artigo Visto: 83



Total Visitas Únicas: 545.192
Visitas Únicas Hoje: 83
Usuários Online: 26