COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
10/02/2012
A IGREJA FAZ A EUCARISTIA E A EUCARISTIA FAZ A IGREJA
 

PUBLICAMOS A SEGUIR UMA SÉRIE DE ARTIGOS SOBRE A EUCARISTIA QUE NÃO PODEM SER IGNORADOS PELO CATÓLICO DE HOJE.

Não deixe de ler e meditar sobre estas verdades fundamenais da nossa fé e que são tão mal interpretadas e aplicadas na nossa Igreja. 

São 12 ARTIGOS que nos explicam o MAIOR MILAGRE DA FACE DA TERRA.

 

Este livro foi escrito em Roma, com a aprovação da Igreja, em 1994. O autor não deixa de confessar que deseja suprir ou substituir o silêncio a respeito de tanta profanação e falta de fé, de forma também confirmar na fé muitos fiéis, indignados e sobretudo a sofrer com uma "catequese eucarística" falsamente teológica ou acertada, que invade todo ambiente, a ponto de levar a fuga do verdadeiro cristianismo. É na intenção de satisfazer tantos Sacerdotes e fiéis de hoje, ainda famintos ou sedentos da verdadeira fé que vos apresentamos. Demos pois a palavra ao autor:

 

 

        

Escrevo principalmente para os sacerdotes, na esperança de fazer bem pelo menos a alguns.

         Refiro-me àqueles que, a seu tempo, não puderam estudar como se deveria, por circunstâncias que os impediram. A Eucaristia foi por eles compreendida, apenas segundo os termos essenciais do dogma, tal como acaba por ser formulado em qualquer e bem singelo texto catequético para crianças.

          Outros, embora tendo estudado regularmente, conseguiram apenas compreendê-lo bem pouco, ficando com a sua própria mente escrava de muitas dúvidas; e, por conseguinte, dispostos a aceitar todas as hipóteses de explicação, especialmente mais recentes, mais ou menos tendentes a negar e a rejeitar.

         Outros, estudaram seriamente, mas as suas ocupações, com o passar dos tempos, logo os impediram de retomar e aprofundar os problemas relacionados com o dogma, de que conservam apenas vagas recordações, mais ou menos fragmentárias e confusas.

         Outros, à doutrina tradicionalmente ensinada, julgaram de preferência opor-lhe teses ou opiniões teológicas, ousadas ou mesmo arriscadas a cair em autênticas heresias. Ao verdadeiro, logo preferiram o novo que, no entanto, a este respeito, historicamente, não é de fato novo, a não ser na sua expressão mais ou menos pessoal e subjetiva e sugestiva, segundo o temperamento ou disposição daqueles a quem agradam tais opiniões. Mas a verdade é que o erro acaba por ser monótono.

 

          Evidentemente que falo de “verdadeiro” e de “novo”, partindo de uma tomada de posição a favor do solene magistério da Igreja, fundada na Tradição Apostólica e na Sagrada Escritura, nas catequeses dos Santos Padres e na mais acreditada reflexão teológica.

         Penso que premissas deste gênero poderão tornar construtiva a leitura destas páginas a esses sacerdotes, jovens ou anciãos sinceramente ortodoxos, que vivem como que mergulhados no tumultuoso alastrar de ideais ou opiniões defendidas apenas por uma pequena chusma de teólogos, biblistas e liturgistas, muitas vezes dispostos ao improviso e ao temerário ou atrevido.

 

          Ao seu tão tristemente suportado silêncio, desejaria eu responder, até mesmo para confirmar na fé muitos fiéis agora já indignados, por ter de suportar uma “catequese” falsamente teológica, que invade já todos os ambientes, chegando a ameaçar com a mais radical animosidade ou antipatia pelo Cristianismo.

 

                                               Roma, 3 de Janeiro de 1994

 Autor – E.Z.

 


EUCARISTIA OU A PIOR DAS IMPOSTURAS

 

         O dogma eucarístico começa a empenhar ou interessar todos os meus recursos intelectuais. Muitas vezes a preocupação chega mesmo a perturbar-me, particularmente quando ouço falar de irreverências e sacrilégios, ou de aberta e obstinada negação do mistério.

          Um tal sofrimento tem a sua explicação mais lógica e séria naquilo que se relaciona com a Eucaristia e a Igreja, o Cristianismo, a vida humana, a civilização em geral.

         Basta-me pensar que a autoridade com que a Igreja pode impor-se às consciências deriva da sua constituição de sociedade visível e hierárquica; que uma sua tal constituição é fundada na Ordem Sagrada...; que uma tal Ordem Sagrada torna o batizado participante do Sacerdócio de Cristo...; que o Sacerdócio de Cristo é exercido principalmente na oferta do Sacrifício Eucarístico...; que o sacrifício eucarístico exige indispensavelmente o prodígio da transubstanciação, que torna presente, nos nossos sacrários, CRISTO em PESSOA.

          Ora, voltando agora a agir ou pensar às arrecuas, devo concluir que, se a presença de Cristo, não é real e substancial, não existe Sacrifício Eucarístico..., não existe Sacerdócio..., não existe Hierarquia..., não existe sequer um Magistério objetivo e infalível...; e, faltando isto, não podemos já acreditar em verdades indiscutíveis, absolutamente certas, de ordem dogmática e moral: justamente as que criaram a civilização cristã, a única solução ou garantia contra os assaltos do laicismo, que se vai estabelecendo ou fundamentando nos abismos ou precipícios de um historicismo fatalmente céptico e anárquico.

          Estas, as considerações que me animam a enfrentar o argumento ou tema considerado como bem mais árduo e fascinante que outro qualquer.

 






 
 
 

Artigo Visto: 781 - Impresso: 24 - Enviado: 19
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 10 - Total Visitas Únicas: 305553 - Usuários online: 21