COMUNIDADES DE VIDA E ORAÇÃO - Vigiai, porque não sabeis a hora em que virá o Senhor (Mateus 24,42)
Documento sem título
 




 
 
10/01/2012
TODOS OS PASSOS PARA UMA SANTA CONFISSÃO
Exame de consciência
 

OS MANDAMENTOS DA IGREJA SÃO CINCO:

1º) Ouvir Missa inteira nos Domingos e festas de guarda.
2º) Confessar-se ao menos uma vez cada ano. (Mês)
3º) Comungar ao menos pela Páscoa da Ressurreição.
4º) Jejuar e abster-se de carne quando manda a Santa Igreja.
5º) Pagar os dízimos segundo o costume.

- Confessei e comunguei pelo menos uma vez por ano?
- Fiz sacrilégio?
- Comi carne nos dias proibidos?
- Ajudei as obras da Igreja?
- Ocultei na Confissão um pecado grave, por medo ou vergonha?
- Denunciei os impedimentos matrimoniais?
- Sou orgulhoso?
- Sou preguiçoso?
- Sou vaidoso?
- Sou egoísta?
- Sou exibido?

Novíssimos do homem
São 4
Morte - Juízo - Inferno - Paraíso


Inimigos da alma
São 3

Mundo - Demônio - Carne

Dotes do corpo glorioso
São 4

Impassibilidade - Claridade - Agilidade - Subtilidade

Pecados capitais
São 7

1º Soberba - 2º Avareza - 3º Luxúria 4º Ira - 5º Gula - 6º Inveja - 7º Preguiça

Contra a soberba tenhamos humildade

" avareza - liberalidade"
" luxúria - castidade"
" ira - paciência"
" gula - temperança"
" inveja - caridade"
" preguiça - diligência"

Pecados contra o Espírito Santo

São 6

1. Desesperação de salvação
2. Presunção de se salvar sem merecimentos
3. Contradizer a verdade conhecida como tal
4. Ter inveja das mercês que Deus faz a outrem
5. Obstinação no pecado 6. Impenitência final

Pecados que bradam ao céu
1. Homicídio voluntário
2. Pecado sensual contra a natureza
3. Opressão dos pobres principalmente órfãos e viúvas
4. Não pagar o salário a quem trabalha

Dons do Espírito Santo
1º - Sapiência
2º - Entendimento
3º - Conselho
4º - Fortaleza
5º - Ciência
6º - Piedade
7º - Temor de Deus

Frutos do Espírito Santo
1º - Caridade
2º - Gozo
3º - Paz
4º - Paciência
5º - Benignidade
6º - Bondade
7º - Longanimidade
8º - Mansidão
9º - Fé
10º - Modéstia
11º - Continência
12º - Castidade Perpétua

Virtudes Teologais

Fé - Esperança - Caridade

Virtudes Cardeais

Prudência - Justiça - Fortaleza - Temperança

Para fazer uma confissão bem feita é preciso:
1. Exame de consciência - pensar nos pecados feitos depois da última confissão.
2. Confissão de boca - declarando ao sacerdote cada um dos pecados, se forem graves ou leve (venial)
3. Dor de coração - com pena de ter ofendido ao Senhor transgredindo seus mandamentos.
4. Propósito de emenda - com vontade de não voltar a pecar.
5. Rezar a penitência - imposta pelo confessor.


Para fazer uma comunhão bem feita:

Nossa Santa Igreja, desde o início, adverte os fiéis sobre a responsabilidade de receber dignamente – isto é, em estado de graça – o Santíssimo Sacramento da Eucaristia. Já no início da Igreja, São Paulo Apóstolo exortava severamente os cristãos da comunidade de Corinto, com as seguintes palavras:

“Todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice anunciais a morte do Senhor até que Ele venha. Eis por que todo aquele que comer do pão ou beber do cálice do Senhor indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor. Por conseguinte, que cada um examine a si mesmo antes de comer desse pão e beber desse cálice, pois aquele que comer e beber sem discernir o Corpo, come e bebe a própria condenação.” (1 Cor. 11,26-29).

 

Aprendemos no catecismo da infância que, para receber dignamente a Eucaristia, é necessário encontrar-se na graça de Deus, ou seja, não ter consciência de nenhum pecado grave. Quem teve a fragilidade de cometer uma falta grave, deve primeiro converter-se, isto é, mudar de comportamento e depois aproximar-se humildemente do sacramento da confissão para receber a absolvição. Então poderá receber digna e frutuosamente a comunhão eucarística.  

 

Nossa Santa Igreja continua a expor esta doutrina através dos séculos. O Servo de Deus Papa João Paulo II declarou oficialmente:

“Se o cristão tem na consciência o peso de um pecado grave, então o itinerário da penitência, através do sacramento da reconciliação, torna-se o caminho obrigatório para se abeirar e participar plenamente do sacrifício eucarístico” (ENCÍCLICA “ECCLESIA DE EUCHARISTIA” n. 37). Neste mesmo documento, o Papa transcreve a seguinte exortação proferida pelo grande doutor da Igreja São João Crisóstomo: “Também eu levanto a voz e vos suplico, peço e esconjuro para não vos abeirardes desta Mesa sagrada com uma consciência manchada e corrompida. De fato, uma tal aproximação nunca poderá chamar-se comunhão, ainda que toquemos mil vezes o corpo do Senhor, mas condenação, tormento e redobrados castigos”.

 

“O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA (n. 1415) estabelece o mesmo princípio: “Quem quer receber a Cristo na comunhão eucarística deve estar em estado de graça. Se alguém tem consciência de ter pecado mortalmente, não deve comungar a Eucaristia sem ter recebido previamente, a absolvição no sacramento da penitência”.

 

Infelizmente, hoje em dia circulam teorias falsas afirmando que podem receber a comunhão eucarística pessoas que vivem habitualmente em situação de pecado, p. ex., casais que vivem em situação matrimonial irregular, ou seja, na assim chamada “segunda união”. Sobre este problema o mesmo Papa João Paulo II se pronunciou claramente na EXORTAÇÃO APOSTÓLICA “ FAMILIARIS CONSORTIO” n. 84. Eis suas palavras:  

“A Igreja, reafirma a sua práxis, fundada na Sagrada Escritura, de não admitir à comunhão eucarística os divorciados que contraíram nova união. Não podem ser admitidos, do momento em que o seu estado e condições de vida contradizem objetivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja, significada e atuada na Eucaristia. Há, além disso, um outro peculiar motivo pastoral: se se admitissem estas pessoas à Eucaristia, os fiéis seriam induzidos em erro e confusão acerca da doutrina da Igreja sobre a indissolubilidade do matrimônio”.

 

O mesmo princípio foi reafirmado recentemente pelo atual Santo Padre Bento XVI na sua EXORTAÇÃO APOSTÓLICA “SACRAMENTUM CARITATIS” n. 29:

“O Sínodo dos Bispos confirmou a prática da Igreja, fundada na Sagrada Escritura (Mc 10, 2-12), de não admitir aos sacramentos os divorciados re-casados, porque o seu estado e condição de vida contradizem objetivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja que é significada e realizada na Eucaristia”.

 

A insistência do Santo Padre, por meio de declarações oficiais e solenes, demonstra a atualidade e a importância pastoral deste problema. Quem tivesse a ousadia de defender a doutrina contrária afirmando que os que estão em situação de pecado e, especificamente aqueles que vivem “em segunda união matrimonial” podem receber a eucaristia, tal pessoa evidentemente estaria discordando do Vigário de Cristo na terra e colocando-se em grave situação de pecado, por estar induzindo outros a comungar sacrilegamente.

 

A Eucaristia, como já dizia Santo Tomás de Aquino, “é o bem máximo da Igreja”. O Concílio Vaticano II, declarou: “a Eucaristia é a fonte e ápice de toda a vida Cristã” (LUMEN GENTIUM n. 11).

Podemos então logicamente concluir que nossa vida eucarística é o termômetro de toda a nossa vida espiritual: se quisermos saber qual o atual nível de nossa vida espiritual, é suficiente examinar nossa devoção eucarística.

 




 
 
 

Artigo Visto: 693 - Impresso: 36 - Enviado: 17
Ajude a manter a nossa obra de evangelização e o nosso site no ar, faça uma doação.

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.cidadaosdoinfinito.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 201 - Total Visitas Únicas: 397803 - Usuários online: 29